Home / Mundo / Brasil / Tribunal condena homem que desfilava com amante para humilhar a ex-mulher
Desembargadores do TJDFT entenderam que fidelidade conjugal não implica, por si só, em causa para indenização, mas caso de humilhação deve ser punido. Divulgação/TJDFT

Tribunal condena homem que desfilava com amante para humilhar a ex-mulher

Acusado de ter traído a mulher já havia sido condenado em primeira instância a pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais à ex

Os desembargadores da Sétima Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) negaram, por unanimidade, recurso a um homem que traiu a mulher. Ele foi condenado em primeira instância a pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais à ex, por supostamente tê-la humilhado e exposto o caso publicamente.

De acordo com a ação ajuizada pela mulher, o pedido de divórcio, por parte dela, foi motivado pelos “frequentes casos extraconjugais que o homem mantinha publicamente”.

Ela alegou ter tido uma gravidez de risco agravada pelo comportamento do ex-marido e ao futuro óbito do bebê – nascido prematuramente e morto quatro dias depois do parto. Imagem. Ilustrativa/Internet.

Ela alegou ter tido uma gravidez de risco agravada pelo comportamento do ex-marido e ao futuro óbito do bebê – nascido prematuramente e morto quatro dias depois do parto.

O juiz titular da 1.ª Vara Cível de Ceilândia, Domingos Sávio Reis de Araújo, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, aceitou parcialmente o pedido da mulher e condenou o ex ao pagamento da indenização.

O magistrado destacou que para a condenação do homem “foi necessário um comportamento ilícito de sua parte que desborde dos limites do razoável, considerando os padrões de ética e moral, e que seja capaz de gerar efetivo dano ao outro”.

Para o juiz, “o réu não respeitou os deveres inerentes ao casamento, (…) teve relacionamento extraconjugal”, reiterando que “o fato de manter um relacionamento fora da constância do casamento, por si só, não é causa suficiente para ocorrer a reparação”, mas que “a publicidade do relacionamento extraconjugal impôs a autora um vexame social e ensejou humilhação que extrapolou o limite do tolerável”.

Na apreciação do recurso, os desembargadores do Tribunal de Justiça/DFT entenderam que a condenação deveria ser mantida.

A sentença confirma que o não cumprimento da “fidelidade conjugal não implica, por si só, em causa para indenizar” a ex-mulher, mas que o homem exibia-se ao lado de uma suposta amante em bares e restaurantes frequentados por familiares da ex, o que representaria uma situação humilhante e vexatória, segundo os desembargadores.

 

Gazeta do Povo

Deixe sua opinião

x

Veja também

Lockdown: Witzel fala em bloqueio de estradas e circulação restrita no RJ.

Wilson Witzel (PSC), governador do Rio, enviou, ontem à noite, um ofício ao MP-RJ (Ministério ...

%d blogueiros gostam disto: