Home / Mundo / Brasil / Cidades / Permissionários têm menos de um mês para regularizar seus pontos de comércio

Permissionários têm menos de um mês para regularizar seus pontos de comércio

Prazo termina no dia 12 de novembro. Abertura de processo é feita em unidades do Atende Fácil ou guichê da Prefeitura no Vapt-Vupt

O prazo de 90 dias concedido a autorizatários/permissionários para procederem com a regularização dos pontos de comércio em Goiânia está terminando e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia (Sedetec) contabilizou apenas 200 processos abertos até o momento. O período para regularizar e/ou transferir vence dia 12 de novembro de 2018 e, depois de encerrado, segundo o titular do órgão responsável pela análise dos requerimentos, Ricardo De Val Borges, haverá uma mobilização de agentes para fiscalizar todos os locais abarcados pela legislação.

O secretário destaca a importância do ato de regularizar esses pontos comerciais para manter a cidade organizada. “Seguimos sempre a determinação do prefeito Iris Rezende, que é de promover as adequações necessárias e fundamentais em Goiânia, buscando a geração de empregos aos cidadãos, valorizando a formalização do trabalho e perseguindo o correto ordenamento urbano. A cidade é pulsante e precisa crescer de forma estruturada. Por isso, estabelecer normas para se manter a organização do município é nossa obrigação, mas sem impedir qualquer indivíduo de trabalhar”.

Ricardo De Val ainda alerta que a fiscalização será intensificada após o período determinado no Decreto nº 1643, que trata sobre e temática de regularização. “A Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação fará a fiscalização e, caso esteja irregular, a pessoa que estiver usando o ponto de comércio poderá ter apreensão de mercadoria, ser notificada, autuada e seu equipamento estará sujeito a ser removido”, explica o secretário.

Decreto

Segundo termos do respectivo documento, fica permitida, excepcionalmente, a regularização e/ou transferência dos pontos de comércio informais instalados ou em atividade que se encontram irregulares até a data de publicação do documento no Diário Oficial do Município, dia 14/08. Tais determinações são válidas para bancas de jornal e revistas, pit dogs, feiras livres e especiais e em dependências dos mercados públicos.

Para regularizar, o autorizatário/permissionário deve comprovar o exercício da atividade e apresentar, mediante processo administrativo próprio, a documentação prevista na legislação. No processo de regularização, chamado de transferência de privilégio, o solicitante deverá ainda apresentar o documento original da Cessão de Direitos, com firma reconhecida em cartório, não sendo aceita a Procuração para substituir tal documento. Para isso, será cobrada a taxa de expediente e serviços diversos, que dá um total de R$ 152,18, sendo R$ 146,33 da taxa e R$ 5,85 – DUAM.

Quem se enquadrar no que dispõe o decreto tem o prazo de 90 dias, a partir do dia 14/08/2018, para requerer sua regularização. Tal procedimento só é disponível para aqueles que possuem quitadas todas as dívidas com o município, tanto para o cedente quanto para o cessionário, adquiridas da autorização/permissão para o exercício da atividade.

A dinâmica processual tem início com a posse do requerimento padrão feita pelo interessado. Ele pode ser adquirido pelo site da Prefeitura (www.goiania.go.gov.br) e também nas lojas de atendimento da Administração Municipal. Após preencher e assinar o requerimento, a pessoa deve anexar os documentos exigidos.

Com o requerimento preenchido e documentos anexados, o interessado deve se dirigir a uma das unidades do Atende Fácil da Prefeitura de Goiânia ou em algum guichê de atendimento do município, localizado no Vapt-Vupt, para dar entrada no processo, que segue para o protocolo da Sedetec e é encaminhado a uma das diretorias responsáveis. Neste local, é agendada a vistoria in loco, a qual deve gerar uma declaração constando o resultado dessa visita.

Depois disso, o processo é enviado ao jurídico da secretaria para emissão de parecer. Se houver deferimento, ele é encaminhado à Secretaria de Finanças para que seja feito o cadastro de quem adquiriu. Aos processos que foram deferidos, há emissão da autorização e, os processos indeferidos são colocados à disposição para que o requerente tome ciência do conteúdo.

Clique aqui para acesso ao Requerimento.

 

Luciana do Prado

Editoria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia.

Deixe sua opinião

x

Veja também

Em audiência pública, vereadores discutem alterações no Plano Diretor de Aparecida

Foi realizada, na manhã desta terça-feira, 17, audiência pública que debateu sobre o Projeto de ...

%d blogueiros gostam disto: