Home / Saúde / Entidades médicas criam protocolo para definir prioridade por vaga em UTI
Bright lights at the end the hospital corridor. The concept of life and death.

Entidades médicas criam protocolo para definir prioridade por vaga em UTI

Associações médicas produziram um protocolo ético e técnico e o encaminharam para ajudar os profissionais de saúde sobre os critérios para internação de pacientes com covid-19 em leitos de UTI (Unidades de Terapia Intesiva) —e aliviar a pressão sobre eles. O aumento acelerado no número de casos da covid-19 já faz com que cidades pelo país tenham fila de espera por leitos de UTI em hospitais. Estados como Amazonas, Ceará, Rio de Janeiro e Pernambuco já têm pacientes que precisam aguardar uma vaga e se internar.

Para auxiliar os médicos, a Amib (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) e a Abramede (Associação Brasileira de Medicina de Emergência) lançaram o “Protocolo de alocação de recursos em esgotamento durante a pandemia por covid-19”, com uma tabela de critérios que devem ser observados na tomada de decisão. Elas devem se nortear, basicamente, por três critérios: gravidade, maior grau de sobrevida e capacidade do paciente.

Na primeira versão do documento, lançada no fim de abril, em vez de capacidade funcional, era levado em conta a idade do paciente. Entretanto, uma revisão feita retirou o critério e resultou num relançamento do documento.

“Compreendeu-se que este critério poderia ser discriminatório (e, portanto, inconstitucional) e que sua presença poderia comprometer a base de solidariedade que é característica da atenção em saúde

” Protocolo da Amib e da Abramede sobre ocupação de leitos de UTI

O UOL teve acesso ao documento, que traz uma série de citações de estudos, do Código de Ética Médica e da Constituição e cita que as escolhas “não devem impor desvantagens de maneira desproporcional a a nenhum grupo social”

“É uma verdadeira escolha de sofia para decidir quem vai ou não” Médico chefe de UTI

O documento diz que deve predominar um consenso de que “o princípio mais sólido é o de priorização de pacientes com melhores chances de benefício e com maiores expectativas de sobrevida”.

“A recomendação é de que avaliações baseadas na subjetividade do julgamento clínico individual sejam evitadas, porque são mais sujeitas a vieses e ao uso inconsistente”, completa.

OS CRITÉRIOS

1) Salvar mais vidas

Como é feito? Usando o escore Sofa (Sequential Organ Failure Assessment), que avalia uma série de parâmetros de dados vitais. Quanto maior essa pontuação, menor a chance de sobreviver (vai de 1 a 4 pontos).

2) Salvar mais anos de vida

Como é feito? Avaliando a presença de comorbidade grave com probabilidade de sobrevida inferior a um ano (caso isso ocorra, soma-se 3 pontos à conta).

3) Capacidade do paciente

Como é feito? Por meio da escala de performance funcional Ecog (Eastern Cooperative Oncologic Group). Nesse caso, o paciente é avaliado em uma escala que vai de “completamente ativo” até “completamente incapaz de realizar auto-cuidados básico” (vai de 0 a 4 pontos).

Em caso de empate de pontos, diz o protocolo proposto, deve ser usada a seguinte ordem de escolha:

‘Menor pontuação do Sofa

‘Julgamento clínico da equipe de triagem.

Segundo o protocolo, para fazer a triagem, o médico deve “manter medidas de estabilização clínica” dentro de um período de 90 minutos e manter uma “revisão regular dos critérios de triagem de cada paciente, incluindo a atualização das pontuações já que elas podem variar com a evolução do quadro”

Já os pacientes que foram preteridos de um leito de UTI não devem ficar desassistidos.

“A não alocação de recursos escassos não pressupõe a não continuidade da assistência em saúde nas suas outras dimensões incluindo cuidados de final de vida se a morte for inevitável”, diz o texto.

Um dos pontos ressaltados é que deve haver uma boa comunicação a pacientes e familiares da existência do protocolo e da prioridade alocada e sempre que possível “incluir seus valores e desejos.”

Um dos estados que tem enfrentado fila de espera de leito de UTI é Pernambuco. Há uma fila de espera há pelo menos 10 dias, mas os dados não são informados pelo estado. No dia 29/4, o estado tinha 186 pacientes esperando um leito de terapia intensiva.

O médico Giovandro Targino chefe de plantão do Pronto Socorro Cardiológico da UPE (Universitário de Pernambuco), relata que o grande número de doentes graves pela covid-19 causou uma busca que ele nunca viu por serviços de UTI.

É fato que sou apenas o último na problemática que começa muito antes de o doente chegar ao hospital, essa escolha é feita pelo médico, mas não imposta pelo médico, embora seja nele que recai a responsabilidade. A carga emocional é gigantesca”.

“Temos feito algumas discussões com o Cremepe [Conselho Regional de Medicina de Pernambuco] e outros especialistas, que estão se empenhando em fazer recomendações para o momento, mas já existem alguns protocolos de situação desastre. Como gestor sei que é fato que, eventualmente, pode-se enfrentar dilemas bioéticos, e é importante que tenha se discutido previamente”, diz o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

05/05/2020 04h00

Deixe sua opinião

x

Veja também

Senado aprova inclusão de covid-19 na cobertura de seguros para doença e morte

O Senado aprovou por unanimidade, com 77 votos, a inclusão das mortes decorrentes da pandemia ...

%d blogueiros gostam disto: